Para quitar dívidas, bares e restaurantes afetados pela pandemia leiloam fogões, cadeiras e até uniformes

EMAIL

ARQUIVO

Nada mais de reunir os amigos para saborear os pratos ou petiscos prediletos, acompanhados de um drink que só aquele bar ou restaurante favorito preparava. A saideira e a pedida para fechar a conta agora é dos próprios dono dos estabelecimentos, que encerraram suas atividades desde o início da pandemia e anunciam o leilão de todos os seus bens.

Dados levantados pela Sold Leilões, empresa do Grupo Superbid e especializada em desativações corporativas, mostram que desde o início da pandemia, em março do ano passado, até a última sexta-feira (4), mais de 1.000 pregões de bares, lanchonetes e restaurantes foram realizados. No comparativo entre 2019 e 2020, o crescimento foi de 60%.

Em relação aos cinco primeiros meses deste ano, ante o mesmo período do ano passado, a elevação é de 20%. Ao todo, mais de 50 mil itens do acervo desses estabelecimentos foram para as mãos de pessoas que arremataram os bens com até 90% de desconto.

Entram na lista desde uniformes, até utensílios de cozinha, cadeiras, quadros, eletros e fogões. Os arremates podem ser feitos por frequentadores assíduos, que desejam ter um pedaço do local como lembrança, e por empresas do mesmo segmento.

Segundo a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), 12 mil bares, restaurantes e lanchonetes sucumbiram à crise desde o início da pandemia, em São Paulo. O principal motivo alegado pelos empreendedores são as restrições impostas para frear o avanço da covid-19.

Para Ana Matheus, gerente comercial da Sold Leilões, o adiamento na flexibilização das regras para a nova fase de transição do Plano São Paulo deve pressionar ainda mais os donos dos estabelecimentos, que hoje operam com 40% da capacidade e horários limitados de funcionamento. “Sem caixa e com dívidas, a procura pelos leilões deve aumentar”, diz.

Infelizmente, nem todas as casas conseguiram se preparar para as novas demandas geradas pela pandemia. Além de prejuízos para a economia, com demissões e encerramento das atividades, o fechamento desses estabelecimentos leva junto parte da história e da memória.

“Os mais afetados são os pequenos e médios estabelecimentos, que sofreram com a queda no faturamento e fecharam as portas por causa das dificuldades para obter linhas de crédito”, conclui Ana Matheus.

Por R7

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Rolar para cima