MPSP pede que Monark pague R$ 4 milhões por defender partido nazista

EMAIL

ARQUIVO

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) entrou com ação civil pública contra o influenciador Monark para cobrar indenização de R$ 4 milhões por ter defendido a criação do partido nazista, durante edição do Flow Podcast, em fevereiro de 2022.

O pedido de indenização foi apresentado na Justiça paulista na quinta-feira (21/3) e obtido pelo Metrópoles. Nele, o promotor Reynaldo Mapelli Júnior, de Direitos Humanos do MPSP, afirma que Monark fez “expressa defesa da criação de um partido nazista e da possibilidade de se declarar e agir como antijudeu”.

“A criação de um partido nazista representa, em síntese, a criação de um partido político feito para perseguir e exterminar pessoas, notadamente judeus, mas também pessoas com deficiência, LGBTQIAP+ e outras minorias”, registrou. “Os comportamentos antissemitas não podem ser aceitos como meros inconvenientes abrangidos pela liberdade de expressão.”

Na ação, o promotor destaca ainda que o comentário de Monark aconteceu em “contexto de crescimento de células neonazistas no Brasil”. Para isso, ele cita estudo que aponta a presença de até 10 mil nazistas no país e o aumento de 270% desses grupos criminosos no período entre 2019 e 2021.

Nazismo

O motivo do pedido de indenização é uma fala de Monark durante um episódio do Flow Podcast, que foi transmitido para mais de 400 mil pessoas, no dia 7 de fevereiro de 2022. Na ocasião, o então apresentador participava de um debate com os deputados federais Tabata Amaral (PSB) e Kim Kataguiri (DEM).

“A esquerda radical tem muito mais espaço que a direita radical, na minha opinião. Eu sou muito mais louco que todos vocês. Acho que o nazista tinha que ter o partido nazista reconhecido”, afirmou Monark.

A declaração teve ampla repercussão negativa e o apresentador alegou ter “conhecimento superficial” sobre o tema.

No dia seguinte, o Museu do Holocausto, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) e a Federação Israelita de São Paulo emitiram nota de repúdio e até os ministros Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), vieram a público para contestar a fala de Monark, que foi demitido do Flow Podcast e perdeu patrocinadores.

“O dano, no caso em pauta, é inegavelmente nacional, chegando mesmo a atingir o plano internacional pela grande repercussão que teve”, escreveu Mapelli Júnior, ao propor a ação.

“O antissemitismo e o racismo são a negação da cultura de direitos humanos que o ordenamento jurídico pátrio e os tratados internacionais preconizam, sendo necessária toda a determinação para combatê-lo.”

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top