Saidinhas temporárias, fuga em Mossoró e caso Marielle: a segurança que nos engana

EMAIL

ARQUIVO

Estamos sendo vítimas de propagandas enganosas. Querem nos convencer de que estaria tudo sob controle, quando não está. São usados os mais variados artifícios, procurando envolver a realidade com uma névoa espessa. O teatro do faz de conta provoca situações apenas ridículas, mas desastrosas para a sociedade. O resultado é uma fraude que se tenta encobrir sob o manto da politicagem e das ideologias obtusas.

Tornou-se imprescindível, por consequência, examinar atentamente esse cenário, sem respostas prontas para perguntas que nem chegaram a ser feitas. Vamos por partes:

“Saidinhas” temporárias

O feroz debate sobre o assunto provoca discussões tão acaloradas que a mera opinião que se sobreponha às reais interpretações. A respeito, nem sempre há honestidade intelectual. Óticas parciais provocam rupturas concentradas por opções partidárias, ou com acentuado caráter ideológico.

Mas o que interessa à sociedade? O bem comum, a satisfação para todos e não apenas para guetos. Entre esses itens, existem óbvias prioridades, entre elas a segurança pública, que oscila entre caótica, titubeante e derrotada.

A respeito, a observação dos constrangedores itens é unânime. Já o que fazer sobre sequências do fracasso, as impressões sobre medidas a serem tomadas são conflitantes e divergentes. Entre elas, as chamadas “saidinhas” dos estabelecimentos penais.

Em tese, elas contemplariam aqueles presos que, estando em situação diferenciada no cumprimento de suas penas, adquirem o direito de, quatro vezes por ano, podem sair da prisão por alguns dias e retornar depois.

A ideia, bonita, seria proporcionar a eles a oportunidade de reintegrar-se aos poucos para o convívio social. O resultado não é tão belo assim. Muitos não retornam. Pior: durante a ausência do cárcere, praticam crimes e são presos em flagrante.

Diz um lado interessado na questão: trata-se de uma minoria, e não se pode atingir a todos, genericamente, por causa de alguns. Diz a parte contrária: é um absurdo, ameaça para população, risco calculado e provado. Dizem os fatos: havia algo errado desde o começo, ao incluir nessas datas, por exemplo, o Dia dos Pais e das Mães, quando muitos dos beneficiados tinham a benesses, mesmo tendo trucidado os pais, como espantosamente acontecia. Essa parte, pelo menos, foi corrigida, embora tardiamente.

Mas existem outras, pois muitos preferem voltar a conviver com gangues do que ficar em âmbito familiar. Até porque grande parte dos prisioneiros está no ciclo da desagregação familiar e quando se fala em reeducar, é esquecido o detalhe de que muitos sequer foram educados.

Claro que existem alguns que, de fato, podem ser chamados de “reeducandos”. Grande parte, porém, prefere a reincidência, o que é facílimo de ser constatado.

No túnel do tempo, já se havia pensado nisso. Havia uma “Casa do Egresso” para cumprir exatamente esse papel: regularização ou expedição de documentos, cadastramento de empresas dispostas a investir na recuperação pelo trabalho, cursos profissionalizantes, orientação psicológica e serviço social para quem mais acentuadamente precisava. Acabou-se: hoje, o provisoriamente libertado, o reeducando, não tem como reeducar-se. É atirado no escuro e tentado pelos fascínios da liberdade perdida.

Na verdade, duas preliminares seriam indispensáveis de maneira eficaz:

1-) a classificação criminal, logo de entrada, para que os tipos diferentes de criminosos não ficarem misturados uns com os outros, provocando brutalidades decorrentes das regras próprias do sistema. Ou seja: não misturar quem apresenta periculosidade com quem não representa perigoso.

Desse modo, antes de permitir a saidinha, cada um seria devidamente examinado para constatar se teria direito a sair ou não. Atualmente, essa decisão é tomada apenas com cálculos aritméticos.

2-) organizar atividades para eliminar o ócio preocupante. Sem fazer nada, (laborterapia quer dizer recuperação pelo trabalho), as tentações ganham espaço dentro da mente vazia, que segundo os próprios presos, seria a “oficina do diabo”. Essa oficina é chamada pelos mesmos presos, de “faculdade”, porque se torna numa engrenagem praticamente incontrolável: facções criminosas recrutam novos integrantes.

O poder interno, outrora inútil, transformou-se num poderoso escritório (cartel, máfia, comando criminoso, organizações paralelas e clandestinas). Assim é que se criou o chavão: mandam dentro e fora dos presídios. O pior: isso é mesmo real.

O tema virou queda de braço: de um lado, a Câmara Federal, aprovando projeto que acaba com as saidinhas, atendendo aos mais variados clamores. De outro, o ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, manifestando-se abertamente contra. Ele é o guru presidencial para projetos serem sancionados ou vetados.

Estamos no momento decisivo para passar a questão a limpo, contemplando o bem comum, ou seja, as preferências e as preocupações da sociedade como um todo.

O Caso Mossoró

A cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, referência na captação de sal marinho, tornou-se muito salgada com seu presídio tido como sendo de segurança máxima, de onde escapuliram dois prisioneiros membros de poderosa facção do crime.

Embora prova de fogo para o sistema, não é assunto para participação direta de um ministro de Estado. No caso, o da Justiça, pretendendo comandar “pessoalmente” as operações de captura. Ricardo Lewandowski desgastou-se com sua prioritária preocupação de mostrar serviço logo ao assumir o cargo.

Aliás, Justiça e Segurança não deveriam ser ministérios integrados, porque um nada tem a ver com o outro. Nunca funcionou, também, a tentativa de envolver em papel celofane as terríveis, desumanas e infames agruras do sistema penal.

Por sinal, o presídio potiguar, para ser ter uma ideia, nem muralhas tem. Projeto ridículo para uma prisão desse tipo, pois nem sabe o que deveria ser arquitetura prisional.

O caso, porém, embute uma sinistra realidade: são necessários os presídios de máxima segurança, exatamente porque existem presos de periculosidade máxima, que exatamente por isso são indesejáveis em seus estados de origem.

Veja só: para esse tipo, claro que não se pode nem pensar em saidinha. São perigosos por natureza, daí a existência desse tipo de presídio em Mossoró (RN), Catanduvas (PR), Papuda (DF), Presidente Wenceslau (SP), Rondônia (RO) e Campo Grande (MS).

O Caso Marielle

A vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro, traz à tona uma situação grave, não apenas política, para reflexos na segurança pública. Ponto final no caso, porque a investigação, foi federalizada. Foram descobertos podres, não os de Shakespeare, contaminando de alto a baixo os alicerces políticos e policiais.

Para ser discutido: os estados possuem autonomia para gerir a área de segurança. No Rio, porém, se não fosse a federalização, o caso não poderia ser considerado resolvido. E nos outros estados, onde existem também casos muito graves sem solução? Foi aberto um precedente? Excepcional, natural ou extremamente necessário?

Rio, ainda: Marielle, finalmente. Graças a delação premiada. Palco de controvérsias pretensamente jurídicas. Recurso considerado maldito por vários advogados, que mudaram subitamente de posição quando contratados, a peso de ouro, para ficarem do outro lado do balcão.

Quando se trata de delação no mundo do crime, o autor é punido implacavelmente com a morte. Dizem que ele é dedo-duro, alcaguete, X-9, ganso e outros pejorativos. Seu único prêmio é a sentença capital.

No mundo dito civilizado, a ex-abominável delação pode ser premiada em determinadas circunstâncias. Já foi anulada, entretanto, judicialmente falando. Mas aprovada em outras. Afinal, serve para alguns e não para todos? Fins justificando meios, na perspectiva maquiavélica, o bem vitorioso acima do mal? Você decide.

Por R7

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top