Registros da Abin podem ter sido apagados no governo Lula, diz CGU

EMAIL

ARQUIVO

O ministro da CGU (Controladoria Geral da União), Vinícius de Carvalho, disse nesta sexta-feira (2) que o descarte de informações sobre a suposta espionagem ilegal na Abin (Agência Brasileira de Inteligência) “tem tendência a ter acontecido” durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Ele não descartou, no entanto, que funcionários do órgão possam ter dado fim às informações já na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Pelo caráter sigiloso da investigação, Carvalho disse que não poderia afirmar com precisão a data em que os materiais haveriam sido descartados. As informações foram dadas durante entrevista à Globonews.

O ministro disse, no entanto, que a CGU encontrou registros de impressão de documentos por servidores da Abin. Os arquivos impressos não foram encontrados nas buscas feitas pelo atual governo.

Vinícius de Carvalho afirmou, ainda, que a CGU não encontrou obstáculos impostos pela atual direção da Abin nas investigações.

Nos próximos dias, o órgão deve ter acesso –por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal– a cerca de 200 GB ligados a investigações envolvendo o governo de Jair Bolsonaro.

ENTENDA

A PF (Polícia Federal) apura suposta espionagem ilegal feita pela Abin durante a gestão de Alexandre Ramagem (PL-RJ), hoje deputado federal, como diretor do órgão no governo de Jair Bolsonaro.

O órgão de inteligência teria utilizado o software First Mile para monitorar os celulares de jornalistas, autoridades e servidores durante meses. As informações seriam encaminhadas a pessoas ligadas ao então presidente, como seu filho, o vereador carioca Carlos Bolsonaro.

Segundo as investigações da PF, o monitoramento ilícito servia para fornecer informações que beneficiassem os filhos de Bolsonaro. Relatórios teriam sido enviados para as defesas de Flávio e Jair Renan Bolsonaro, ambos com inquéritos na Justiça.

Por Poder 360

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top