Queda na segunda onda de Covid-19 estaciona em 18 estados

EMAIL

ARQUIVO

Dezoito estados dão sinais de que a queda na média móvel de mortes por Covid-19 das últimas semanas chegou ao fim. O que é mais preocupante é que em 11 deles essa estabilização acontece acima do pico da primeira onda de óbitos. Isso significa que a margem de manobra dos sistemas hospitalares para lidar com um aumento nas vítimas é menor do que quando iniciou a segunda onda, tornando mais fácil um novo colapso.

Por conta disso, a média móvel do Brasil como um todo se estabilizou em torno de 1,9 mil mortes diárias por conta do coronavírus, após ter chegado a 3,1 mil no auge da segunda onda. O pico atingido na primeira foi de 1,1 mil. As informações sobre as vítimas da Covid-19 são do Ministério da Saúde. Elas serviram de base para o cálculo da média móvel feito pelo (M)Dados, núcleo de análise de grande volume de informações do Metrópoles.

Os gráficos a seguir mostram a evolução da média móvel de mortes por Unidade da Federação desde o início da pandemia de Covid-19. Neles, fica nítido o movimento das duas ondas.

Como é possível ver, em apenas nove UFs a média permanece em queda. Uma delas é o Distrito Federal, que hoje tem uma média móvel em torno de 20, menos da metade do pico da primeira onda, 44, e praticamente um quarto do pico da segunda, de 78 óbitos em média a cada 24 horas.

Por outro lado, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo e Santa Catarina mostram sinais de estabilização em patamar superior ao pico da primeira onda.

No Rio de Janeiro, por exemplo, a média registrada em 24 de maio foi de 216. Ela oscila em torno desse patamar desde 13 de maio, quando foi de 206, o ponto mais baixo depois do auge da segunda onda – quando chegou a 288. O ápice da primeira foi de 215.

“Infelizmente, a pandemia aqui no Brasil não está controlada”, resume o médico infectologista e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Julival Ribeiro. Mesmo assim, prossegue ele, “as medidas vêm sendo relaxadas e temos uma grande preocupação de que ocorra um aumento do número de casos, ou mesmo uma terceira onda de mortes”.

Um outro grupo de sete estados mostra sinais de que a queda na média móvel de mortes já terminou em um patamar menor do que o pico da primeira onda, mas ainda em um nível elevado. São eles Alagoas, Amapá, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Roraima.

“O afrouxamento das medidas restritivas é tudo que o vírus precisa”, explica Ribeiro. Ele aponta que somado a isso, a predominância de novas cepas mais contagiosas também favorece uma possível terceira onda da doença. Ele cita a nova variante indiana, que pode ter chegado ao Maranhão. “Hoje já se vê aumento nas internações em UTIs em alguns lugares”, conclui.

Por Metrópoles

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Rolar para cima