Milhares norte-americanos alegam que EUA ignoraram efeitos da vacina contra covid e buscam compensação

EMAIL

ARQUIVO

Milhares de norte-americanos que alegam ter sofrido com efeitos adversos das vacinas contra a covid-19 dizem que foram negligenciados pelo governo dos Estados Unidos e as autoridades de saúde. Segundo uma investigação do jornal New York Times, dos 270 milhões de vacinados até abril de 2024, cerca de 13.000 buscaram compensação por lesões possivelmente relacionadas aos imunizantes, mas apenas 47 foram considerados elegíveis.

A preocupação com efeitos colaterais graves decorrentes das vacinas contra o coronavírus ressurgiu nesta semana, quando a farmacêutica AstraZeneca reconheceu em um processo judicial a possibilidade de efeitos adversos raros ligados ao seu imunizante.

A vacina, que está autorizada no Brasil desde 17 de janeiro de 2021, não é permitida nos EUA. No país, 677 milhões de doses de vacinas contra a covid foram administradas, com aprovação da FDA (Food and Drug Administration) para apenas 5 variações: Comirnaty, Moderna, Novavax, Pfizer-BioNTech e Spikevax.

Segundo o jornal, autoridades federais de saúde asseguraram que os efeitos colaterais graves eram raros e que a vigilância era eficaz na detecção de problemas. No entanto, profissionais da área agora expressam arrependimento pela falta de transparência quanto aos efeitos adversos das vacinas. Janet Woodcock, comissária interina da FDA em 2021, afirmou acreditar que alguns vacinados sofreram reações incomuns, mas que “que mudaram suas vidas”.

Durante mais de um ano, o New York Times entrevistou 30 pessoas que alegaram ter sofrido efeitos adversos das vacinas contra a covid. Elas relataram uma variedade de sintomas, alguns neurológicos, autoimunes e cardiovasculares.

Leia alguns relatos:

  • Shaun Barcavage (54 anos): teve aumento da frequência cardíaca ao ficar em pé depois da 1ª dose da vacina contra a covid, indicando síndrome da taquicardia ortostática postural. Ele também sentiu dor nos olhos, boca e genitais, e continua com zumbido nos ouvidos;
  • Renee France (49 anos): desenvolveu paralisia de Bell –uma forma de paralisia facial, geralmente temporária– e uma erupção cutânea depois da vacinação, com médicos desconsiderando a conexão com as vacinas contra a covid. A erupção cutânea, um surto de herpes-zóster, a deixou debilitada por 3 semanas;
  • Michelle Zimmerman (37 anos): sentiu dor intensa irradiando do braço esquerdo até a orelha e pontas dos dedos após receber a vacina da Janssen. Em poucos dias, tornou-se extremamente sensível à luz e teve dificuldade em lembrar fatos simples, sendo posteriormente diagnosticada com danos cerebrais.

Ainda segundo o jornal, as autoridades federais de saúde dos EUA ainda não acreditam que as vacinas contra a covid tenham causado as doenças relatadas.

Embora possam causar reações transitórias como fadiga e febre, o CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças, em português) documentou oficialmente só 4 efeitos colaterais graves e raros, incluindo síndrome de Guillain-Barré e distúrbios de coagulação sanguínea associados à vacina da Janssen. Também foi relatado inflamação cardíaca relacionada às vacinas da Pfizer-BioNTech e Moderna.

Mas as autoridades norte-americanas enfrentam dificuldades na identificação de possíveis efeitos secundários das vacinas por causa da fragmentação do sistema de saúde nos EUA, o que complica a detecção de reações extremamente raras.

New York Times analisou como países com sistemas de saúde centralizados abordaram os relatos de efeitos colaterais graves das vacinas contra a covid-19. Por exemplo, em Hong Kong, o governo examinou os registros médicos dos pacientes após a vacinação e incentivou a população a relatar quaisquer problemas, inclusive oferecendo compensações financeiras.

Especialistas afirmam que essa abordagem resultou na identificação de reações adversas que poderiam passar despercebidas de outra forma.

Por Poder 360

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top