Fósseis extraídos ilegalmente no Ceará revelam espécies que viveram há 110 milhões de anos

EMAIL

ARQUIVO

Em razão do tráfico nacional e internacional de fósseis que ocorre no sul do Ceará, diversos exemplares são retirados do seu local de origem. A região é uma das três mais ricas do mundo na quantidade dessas peças. A mais recente, foi descoberta em dezembro de 2020, quando uma pesquisa europeia chamou de Ubirajara jubatus um fóssil encontrado na região cearense.

Ele seria o primeiro dinossauro não aviário descrito em toda a América Latina. A divulgação foi alvo de críticas de cientistas brasileiros, que tentam repatriar o exemplar de um museu na Alemanha, com a ajuda do Ministério Público Federal (MPF).

O Ceará tem o maior sítio paleontológico do Brasil; devido a falhas na fiscalização da região e de uma legislação que data de 1942, o comércio ilegal de fósseis ocorre à luz do dia. Especialistas apontam que diversos exemplares já foram retirados da região e só foram descobertos após divulgações científicas ou vendas em leilões fora do país.

O grupo de pesquisa que descreveu o U. jubatus afirmou que o animal viveu há 120 milhões de anos, durante o período cretáceo. Ele tinha o tamanho de uma galinha, duas patas, e o corpo era coberto por fios. Havia ainda duas estruturas rígidas, em formato de V, feitas de queratina em cada lado de seus ombros.

Veja mais no G1

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Rolar para cima