Estudo internacional revela que leis de “fake news” podem prejudicar eleições brasileiras de 2024

EMAIL

ARQUIVO

Uma revisão conduzida pelo CNTI (Centro de Notícias, Tecnologia e Inovação), do qual faço parte como pesquisador, revela que as leis de “fake news” aprovadas em todo o mundo nos últimos anos oferecem pouca proteção à liberdade jornalística e, pelo contrário, aumentam o risco de danos.

Nossa pesquisa abrangeu 31 países, da Etiópia às Filipinas, e analisou legislações consideradas ou aprovadas de 2020 a 2023. Baseamo-nos em relatórios de organizações como o Cima (Center for International Media Assistance), Lexota e LupaMundi, que acompanham leis de mídia globalmente.

Das 32 legislações analisadas, apenas 7 definiram explicitamente o termo “fake news”, enquanto 14 atribuíram ao próprio governo a autoridade para arbitrar essa definição. Além disso, 18 não forneceram linguagem clara sobre o assunto, dando ao governo controle por padrão.

A falta de clareza nas leis pode ser observada em diferentes tipos de regime, inclusive em democracias. E as punições podem ser severas, incluindo prisão de vários meses a até 20 anos no Zimbábue.

Encontramos poucas proteções para notícias baseadas em fatos ou independência jornalística nas legislações analisadas. Leis vagas sobre “fake news” poderiam ser usadas para reprimir a imprensa independente.

Essas descobertas são cruciais em um momento em que muitos países realizam eleições, destacando a importância do acesso do público a notícias confiáveis. A legislação analisada pode reduzir vozes críticas e minar a liberdade de imprensa, especialmente em contextos eleitorais.

Embora muitas leis visem conter a desinformação, a falta de definições claras corre o risco de limitar a liberdade jornalística e o acesso do público a uma pluralidade de notícias baseadas em fatos.

A longo prazo, ainda não conhecemos todas as implicações dessas leis. Há evidências de que elas podem levar jornalistas e fontes a evitar certos tópicos para evitar consequências legais.

O CNTI continuará monitorando esses desenvolvimentos como parte de sua pesquisa em andamento. O relatório sobre legislação de “fake news” é o primeiro de uma série de estudos que o centro realizará em 2024, focados em definir o jornalismo na era digital e global.

Futuras pesquisas se concentrarão em análises de políticas, pesquisas públicas sobre o significado das notícias para as pessoas e uma pesquisa internacional com jornalistas para entender como eles veem sua indústria, dada a crescente influência da inteligência artificial e o risco de maior interferência governamental.

As informações são de Samuel Jens para Fundação Nieman, traduzidas por Izabel Tinin para o Poder 360.

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top