Dono de ‘lojinha’ de queijos no Amapá vai receber quase R$ 1 bilhão por leilão de arroz do governo Lula

EMAIL

ARQUIVO

Wisley Alves de Sousa, proprietário de uma modesta loja de queijos em Macapá, capital do Amapá, acaba de se destacar no mercado ao se tornar o maior vencedor do controverso leilão promovido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a importação de arroz.

Segundo informações de The Agribiz, no certame realizado nesta quinta-feira, a empresa Wisley A. de Sousa LTDA arrematou seis lotes, assumindo a responsabilidade de importar 147 mil toneladas de arroz e internalizá-las até setembro. O valor do contrato é de R$ 736 milhões.

O feito chamou atenção devido ao porte relativamente pequeno da companhia, que é pouco conhecida no mercado brasileiro de grãos. Segundo registros da Receita Federal, o capital social da empresa amapaense é de apenas R$ 5 milhões.

Como parte do acordo, Souza deverá pagar uma caução de R$ 36,8 milhões à Conab até a próxima semana, como garantia de que cumprirá o contrato. Essa condição tem gerado ceticismo entre os observadores.

Na internet, informações sobre os negócios de Wisley de Souza são escassas. A reportagem de The AgriBiz conseguiu localizar a sede da empresa — uma pequena loja chamada “Queijo Minas”, com 1.010 seguidores no Instagram. A loja oferece produtos como cebola, óleo e ovos, aparentando ser uma típica mercearia de bairro.

Os riscos envolvendo a Conab

Desde que o governo federal anunciou o leilão para importação de arroz, com o objetivo de combater a especulação de preços, a medida tem gerado controvérsias e descontentamento entre os agricultores.

Para muitos, trata-se de uma ação populista que desconsidera a realidade da oferta e demanda global do mercado. A Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) chegou a tentar barrar o certame na Justiça, mas não obteve sucesso.

Os resultados do leilão desta quinta-feira só aumentaram as desconfianças. Uma fonte de uma grande beneficiadora de arroz alertou para os riscos de leilões malfeitos, que podem favorecer aventureiros que, por vezes, não conseguem cumprir o acordado.

Ivan Wedekin, ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura no governo Lula (2003-2006) e ex-diretor de commodities da antiga BM&FBovespa, criticou a intervenção governamental. Ele acredita que o arroz importado pela Conab só chegará ao Brasil em setembro, quando os problemas de abastecimento causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul já estarão resolvidos.

Acompanhando o leilão à distância, Wedekin também recebeu várias mensagens questionando a capacidade de execução dos vencedores. “É necessário avaliar a experiência dessas empresas no agronegócio. Algumas pessoas também estão intrigadas com isso”, afirmou Wedekin.

Quem mais levou o leilão

O leilão promovido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a importação de arroz alcançou um total de R$ 1,3 bilhão, envolvendo 263 mil toneladas. Esse volume representa quase 90% das 300 mil toneladas que o governo federal pretende importar. Além da Wisley A. de Sousa LTDA, outras três empresas também saíram vitoriosas no certame.

A Zafira Trading, com sede em Santa Catarina, arrematou sete lotes, ficando responsável por importar 73,8 mil toneladas de arroz (R$ 368 milhões). Essa empresa atua principalmente no comércio exterior e pertence a Ana Carolina Altmann Wayhs.

A Icefruit, localizada em Tatuí (SP), também obteve sucesso, vencendo dois lotes e totalizando 19,7 mil toneladas (R$ 98 milhões). Seu foco de atividade é a fabricação de sucos, sob a administração de Marco Aurélio Bittencourt Junior.

Surpreendentemente, a ASR Locação de Veículos, com base em Brasília, ganhou dois lotes para importar 22,5 mil toneladas (R$ 112,5 milhões). A pergunta que ecoou foi: “Desde quando uma locadora de carros importa arroz?”

O negócio pertence a Crispiniano Espindola Wanderley, um nome relativamente conhecido na política do Distrito Federal. Ele já ocupou a presidência da Comissão Executiva do PROS em Brasília e, no passado, denunciou o deputado Alberto Fraga por exigir propina em um contrato relacionado a uma cooperativa de transportes.

Embora seja um novato no mundo agrícola, Wanderley não é estranho aos leilões da Conab. No ano passado, ele estreou ao vencer um leilão para comprar milho e entregá-lo aos produtores familiares da Bahia. “Entreguei 211 mil sacas de milho para ajudar os produtores afetados pela seca no Nordeste”, relatou. O leilão foi realizado a pedido da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional da Bahia (CAR).

Agora, Wanderley enxerga a oportunidade de contribuir para o abastecimento do mercado de arroz. “Acredito que o governo está agindo corretamente”, afirmou o empresário. Embora ainda não tenha garantido as compras, ele conduziu ampla pesquisa em países como Uruguai, Bolívia, Argentina e Vietnã para importar o cereal. Segundo suas estimativas, o preço do arroz deve chegar próximo a US$ 800 por tonelada.

Por The Agribiz

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top