Debandada: sindicatos ‘derretem’ e perdem mais de 5 milhões de filiados em 10 anos, segundo IBGE

EMAIL

ARQUIVO

Em um período de 10 anos, os sindicatos brasileiros perderam 5,275 milhões de trabalhadores filiados, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (15/9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base em números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

Em 2022, cerca de 9,134 milhão de trabalhadores estavam associados a algum sindicato, o que correspondia a 9,2% da população ocupada (99,6 milhões de pessoas). É a primeira vez que o país atinge patamar inferior a dois dígitos. Em 2012, 16,1% dos ocupados eram sindicalizados (14,409 milhões).

Apenas nos últimos três anos, durante a pandemia de Covid-19, segundo o IBGE, 1,325 milhão de trabalhadores deixaram de ser sindicalizados no Brasil.

Isso significa que, apesar da alta de 4,9% no total de pessoas trabalhando no país em relação a 2019, houve uma queda de 12,7% no total de sindicalizados. Em 10 anos, esse contingente recuou 36,6%, enquanto a população ocupada cresceu 11%.

Para Adriana Beringuy, coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, a reforma trabalhista, aprovada em 2017 pelo Congresso Nacional, é uma das responsáveis pela queda do número de trabalhadores sindicalizados.

A reforma aboliu o imposto sindical obrigatório, que vigorava desde a década de 1940. A taxa era descontada da remuneração do trabalhador uma vez por ano e correspondia ao valor de um dia de trabalho, sem incluir horas extras.

“A reforma, além da queda do imposto sindical, trouxe consigo a flexibilização de contratos dos trabalhadores. Então, por ser mais flexível, dando um caráter maior de vínculos independentes e isolados, contribui para uma menor participação coletiva dos trabalhadores”, afirma Beringuy.

“Nos últimos anos, você tem a intensificação desses contratos unitários, unipessoais, como PJ (Pessoa Jurídica), trabalhadores intermitentes, o próprio avanço de modalidades como o MEI (microempreendedor individual)”, prossegue Beringuy. “As pessoas estão se organizando em torno do trabalho cada vez mais individualmente, e não coletivamente. Quanto maior é essa inserção individual, e não coletiva, isso tudo acaba contribuindo para a perda de adesão ao sindicato.”

Queda em todas as regiões do Brasil

De acordo com o levantamento do IBGE, todas as regiões do país tiveram uma diminuição na taxa de sindicalização entre 2012 e 2022. O maior recuo foi registrado no Sul (9,2 pontos percentuais).

As regiões Norte (7,7%) e Centro-Oeste (7,6%) tiveram os índices mais baixos de trabalhadores sindicalizados. As taxas mais altas foram as das regiões Sul (13,1%) e Nordeste (10,8%). No Sudeste, 8,3% dos ocupados integravam sindicatos.

Por Metrópoles

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

contato.serido360@gmail.com

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top