Concurso da Câmara dos Deputados pode ser alvo de investigação

EMAIL

ARQUIVO

Uma situação bastante intricada vem à tona envolvendo o concurso para analista legislativo da Câmara dos Deputados. Candidatos que não obtiveram êxito no processo seletivo levantaram suspeitas sobre a execução e supervisão do concurso pela Fundação Getulio Vargas (FGV), levando o caso até o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU).

O subprocurador geral, Lucas Furtado, ecoou essas preocupações ao requerer que o TCU investigue possíveis falhas na vigilância do contrato entre a Câmara e a FGV. A solicitação inclui uma potencial suspensão do anúncio dos resultados finais do concurso, sugerindo uma interferência indevida por parte dos reclamantes no processo seletivo segundo a instituição.

Interferência Injusta ou Apelo por Justiça?

A motivação para o concurso era preencher de forma imediata 33 vagas, além da criação de um cadastro reserva com mais 217 possibilidades. Dos participantes, 42 conseguiram ser aprovados após as etapas objetiva e discursiva. Entretanto, os apelos dos candidatos reprovados denunciam incongruências preocupantes entre as exigências da questão discursiva e o gabarito oficial. Além disso, alegam que o limite máximo de 30 linhas para respostas era insuficiente, requerendo, na prática, ao menos 38 linhas para uma resposta completa.

Qual o Próximo Passo Para a Resolução do Impasse?

Uma preocupação adicional manifestada pelos candidatos diz respeito à falta de um procedimento adequado para anonimato nas provas discursivas, algo que, segundo eles, poderia permitir um viés na correção por parte dos avaliadores. Frente a essa situação, a Câmara dos Deputados declarou que a reivindicação parece ser uma estratégia para influenciar indevidamente o procedimento conduzido pela FGV.

Até o presente, a resposta da Câmara é firmar que o concurso prossegue normalmente, encontrando-se na etapa de análise dos recursos contra a prova discursiva. A Casa legislativa reitera seu compromisso com a impessoalidade, legalidade e moralidade, recusando-se a atender aos pedidos de intervenção neste momento do processo seletivo.

A FGV Mantém sua Posição

Por sua vez, a Fundação Getulio Vargas informou não ter recebido qualquer notificação formal sobre a contestação no TCU e enfatiza que o concurso transcorre conforme o planejado, respeitando todas as normativas estabelecidas em seu edital.

Este episódio levanta questões cruciais sobre transparência, justiça e equidade em concursos público, destacando a importância da clareza nas regras e na aplicação dos processos seletivos. Resta agora acompanhar os desdobramentos desta investigação e as medidas a serem adotadas pelos órgãos competentes.

Por O Antagonista

Twitter
Facebook
Pinterest
WhatsApp

Sobre Portal Seridó 360

A revista eletrônica Seridó 360 foi criado no inicio do ano de 2018, pelo estudante de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas de Patos/PB, Iasllan Araújo, com o intuito de levar às notícias do Seridó Potiguar a uma única revista – esta.

E-MAIL

ARQUIVO

WHATSAPP

ARQUIVO

ARQUIVO

ARQUIVO

Arquivos

ANÚNCIO

ARQUIVO

TAGS

ARQUIVO

Scroll to Top